O desdobramento do caso de corrupção nos anos de 2015-2016, do ex-Deputado Federal e Presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha-PMDB, obteve grande repercussão no âmbito político, na mídia e principalmente na sociedade. Eduardo cunha foi denunciado pela Procuradoria Geral da República (PGR), pelos crimes de corrupção passiva, propina, evasão de divisa e lavagem de dinheiro.  O Peemedebista recebeu R$ 5 milhões de propina para construir um estaleiro e dois navios da (Petrobrás) negócio em torno de US$ 1,2 bilhão, e propina no exterior para igreja em torno de US$ 80 milhões de dólares (R$ 277,3 milhões de reais) dando prejuízo aos cofres públicos

 

José Carlos Araújo: Presidente do Conselho de Ética da Câmara dos deputados

O Deputado José Carlos na época era do partido PSD-BA. Foi ele o responsável por comandar o processo contra o então o Presidente da Câmara, Eduardo cunha. José Carlos Araújo, presidente deste colegiado durante três vezes, e por duas vezes vice-presidente. No período ocorreu mudanças do Regimento Interno do Conselho, feita pelo próprio José Carlos Araújo. Uma das normas diz que o membro do conselho de Ética dos Deputados, só poderia ser retirado se renunciasse ou se fosse a óbito. O deputado baiano e presidente do conselho foi perseguido. “Foi o julgamento mais longo que aconteceu no Conselho de Ética, e durou nove meses, sofri todos os tipos de perseguições do Eduardo Cunha, mas mantive o foco. Foram muitas ilegalidades realizadas por ele […]”. Afirmou José Carlos.  Eduardo cunha, tentou retirar José Carlos Araújo do cargo. Porém, não obteve êxito

 

Presidente do Conselho de Ética imparcial

José Carlos Araújo um parlamentar de grande exemplo para todos, um político idôneo, ético e integro. Foi cauteloso e imparcial no processo contra Eduardo cunha. Os partidos PSOL e Rede, entraram com um manifesto no conselho de ética contra Eduardo cunha, à acusação contra o peemedebista por quebra de decoro parlamentar. José Carlos, acatou o manifesto. O presidente do conselho, sorteou três deputados em um sorteio para relatar o processo contra Eduardo Cunha no colegiado: Saem Mauro Lopes e Washington Reis por serem do (PMDB) do partido de cunha; e o deputado Júlio Delgado (PSB), por ser adversário de Eduardo Cunha na disputa pela Presidência da Câmara. Admirou-se a imparcialidade de José Carlos Araújo

 

A queda de Eduardo Cunha

A mídia em geral definiu assim o caso: O processo de cassação de Eduardo Cunha, consistiu em uma investigação contra o deputado federal no Conselho de Ética dos Deputados, por quebra de decoro parlamentar que o resultou na cassação do mandato do deputado por 450 votos favoráveis e 10 contrários. A cassação ocorreu no Plenário da Câmara, no dia 12 de setembro de 2016.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.